Cervicalgia

O QUE É CERVICALGIA?

A cervicalgia é um problema que afeta a região cervical, (o pescoço, normalmente), causando dores e também a rigidez nos músculos afetados, já que a pessoa cria uma posição de defesa da região. Geralmente essa condição é resultado de traumas no pescoço, como movimentos bruscos, dormir mal acomodada ou permanecer por muito tempo em posição forçada. Pode-se dizer que são as contraturas e distensões musculares. Os sintomas em geral têm como causa um espasmo (contração) muscular e/ou deslocamento de suas raízes nervosas.

A cervicalgia é uma síndrome que tem como característica dor e rigidez transitória do pescoço, atingindo cerca de 30% dos homens e 43% das mulheres em alguma fase da vida.

A cervicalgia é capaz de se desenvolver de forma aguda (curta duração) ou crónica (igual ou superior a 3 meses). A presença de dor crónica está associada às lesões traumáticas e manifestações psicossomáticas (depressão, ansiedade e dificuldades no trabalho).

CERVICALGIA: SINTOMAS E SINAIS

O paciente com cervicalgia normalmente adquire uma atitude de defesa e rigidez dos movimentos. Ocorre também uma alteração na mobilidade do pescoço, dor durante o toque no pescoço podendo abranger a região do ombro e para todo braço.

Em relação à dor, o paciente pode reclamar desde uma dor leve local e uma sensação de cansaço, até uma dor mais forte e restringente. O braço, além de doer, pode apresentar alterações de sensibilidade e força muscular

É possível sentir adormecimento de alguma área ou de todo membro superior, podendo ser de alguma área ou todo o membro superior. Podendo ser contínua ou desencadeada por algum fator. A fraqueza muscular acontece em casos mais graves ou prolongados sendo geralmente progressiva
Além de adquirir posição de defesa e modificar sua postura em função disto, ainda há alteração da musculatura da área, dor no pescoço que pode ser estender aos ombros e braços. O braço ligado ao local da cervicalgia pode apresentar também alteração de força, sensibilidade e também dormência, que pode ser contínua ou não.

CAUSAS DA CERVICALGIA

As cervicalgias podem ser decorrentes, de desordem mecânica, fatores posturais e ergonômicos ou ao excesso e sobrecarga dos membros superiores. A dor cervical resulta em perda na produtividade. Está relacionada principalmente com a postura inadequada, tarefas repetitivas, serviços pesados e manuais, movimentos bruscos do pescoço, longa permanência em posição forçada, esforço ou trauma e até mesmo alterações da ATM (articulação têmporo-mandibular).

Outros fatores que podem ocasionar a Cervicalgia:

  • Stresse, que causa rigidez muscular;
  • Contratura e distensão muscular acidental;
  • Mau condicionamento físico;
  • Má postura;
  • Obesidade;
  • Fraqueza abdominal;
  • Envelhecimento;
  • Estenose;
  • Doença degenerativa discal (DDD);
  • Acidentes e lesões no pescoço, causados pelo chamado “chicote”, quando o pescoço é forçado para um lado e a força contrária a força para o outro.

Quando a pessoa nota que a dor cervical dura mais do que alguns dias, tem algum outro sintoma neurológico, como modificações na sensibilidade e/ou na força muscular, por exemplo, podem existir causas mais sérias, como: infeções na coluna, tumores, fraturas, compressões da medula espinhal ou outras.

CERVICALGIA: DIAGNÓSTICO E EXAMES

O diagnóstico pode ser feito clinicamente, levando em conta as características dos sintomas e o resultado do exame neurológico. Exames como raios-X, tomografia e ressonância magnética ajudam a determinar o tamanho da lesão e a exata região da coluna acometida.

CERVICALGIA: TRATAMENTO

O profissional de saúde deve avaliar os exames clínico e de imagens, como raios x, ressonância magnética, etc. e a história do paciente, para que seja determinado o tratamento.

Dependendo do estado do paciente, se existir comprometimento neurológico ou não, num primeiro momento, são indicados tratamentos conservadores.

  • Quando há necessidade de imobilização da cabeça, sob risco de lesões, principalmente em casos de traumas, um colar cervical é utilizado.
  • Ao serem descartadas lesões mais graves, podem ser receitados anti inflamatórios não hormonais como o Diclofenac, que ajuda a reduzir a dor e o desconforto;
  • Se as contraturas musculares forem as responsáveis pela cervicalgia, podem ser indicados relaxantes musculares;
  • A fisioterapia convencional é bastante importante e deve ser parte constante do tratamento, utilizando-se de várias técnicas terapêuticas que ajudam a aliviar a dor, reduzem os espasmos, ativam a circulação sanguínea, etc.
  • Quando não ocorre um impedimento de movimentação, podem ser realizados alongamentos e também exercícios de reabilitação para melhorar a movimentação e força das partes afetadas e podem ser indicados ainda a reeducação postural e técnicas de relaxamento. Mudanças nas posturas
  • Exercícios de alongamento e fortalecimento muscular cervical
  • Quando não houver sinais de compressão nervosa, o metodo arm é uma boa indicação, já que faz uma manipulação na coluna, causando seu alinhamento e melhora esse quadro. Para visualizar testemunhos dos resultados do metódo arm no tratamento de cervical e hérnias cervicais visite: http://www.herniadedisco.pt/tratamento-da-hernia-de-disco/
  • A cirurgia quase não é recomendada nos casos de cervicalgia, a não ser que seja muito sério. Os outros pacientes costumam estar recuperados entre quatro e seis semanas.
Partilha nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •