Coluna Torácica

ANATOMIA DA COLUNA TORÁCICA

A coluna torácica é constituída por doze vértebras torácicas se articulam com as costelas para formar o suporte posterior da caixa torácica. As vértebras torácicas são maiores do que as vértebras cervicais e aumentam de tamanho de cima T1 para baixo T12. Cada vértebra torácica possui um processo espinhoso longo, e inclinado obliquamente para baixo, e fóveas para articulação com as costelas . T1 a T4 tem algumas das características das vértebras cervicais, enquanto que as vértebras torácicas inferiores T9 a T12 possuem algumas das características das vertebras lombares; essas vertebras de transição, muitas as vezes, são referidas como componentes das regiões cervicotorácica e toracolombar, respectivamente; as vertebras torácicas consideradas típicas são T5 a T8. As vertebras torácicas possuem corpos cordiformes; nas superfícies póstero-lateral dos corpos estão as fóveas costais superiores e inferiores; forames vertebrais arredondados; grossos pedículos; laminas adjacentes (MCKINNIS, 2004).

Coluna Torácica

Coluna Torácica – patologias

 

INCIDÊNCIAS RADIOGRÁFICAS DA COLUNA TORÁCICA

Segundo Mckinnis (2004), Em incidência radiográfica são usados duas modalidades de rotina, são as projeção anteroposteriore lateral, onde se tem melhor detalhes da estrutura das vertebras torácica. Na radiografia oblíqua, é utilizada como exame complementar para poder obter melhor detalhes dos processos articulares, sendo assim não é sempre utilizada. Em incidência da Ap: O paciente deve estar em ortostática ou em decúbito dorsal, deixando o plano mediano do corpo alinhado com a linha central da mesa ou da estativa (bucky mural), quando for em decúbito dorsal flexionar joelho para reduzir a curvatura torácica. O raio central entrando perpendicular na altura de 8 a 10 cm da incisura jugular, centrado próximo da vertebra T7. Suspendendo a respiração na hora da radiografia.

Nesta incidência anteroposterior ela reproduz todas as estruturas das vertebras como: o alinhamento das vertebras, dos pedículos, dos processos espinhosos, transversos e articulares, os corpos vertebrais, e espaços vertebrais.

Em incidência do Perfil: Devesse posicionar o paciente em ortostática ou em decúbito lateral,em ortostática o paciente deve estar ao lado do da estativa em posição ereta e colocar os braços na altura da cabeça segurando com as mãos atrás da nuca, posicionando o processo espinhoso cerca de 4cm atrás da linha central da estativa, e em decúbito lateral o paciente de flexionar os joelhos para reduzir as curvatura torácica , seguindo os mesmos procedimentos da incidência em ortostática, colocando um travesseiro fino para melhorar o posicionamento e melhor comodidade para o paciente. O raio central entrando na vertebra torácica T7 cerca de 8 a 10 cm abaixo da incisura jugular. Sem apnéia. (BONTRAGER e LAMPIGNANO, 2010)

 

Coluna Torácica - Costelas

Coluna Torácica

 

 

Partilha nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •