Dor na Coluna

A dor na coluna vertebral

A dor na coluna é muito frequente e tem diversas causas; cerca de 23% dos adultos sofrem de dor lombar que se prolonga no mínimo por 3 meses.Na maior parte dos casos, a dor é de origem mecânica, mas cerca de 3% dos adultos sofrem de dor inflamatória na coluna vertebral. Existem outros tipos de dor crónica na coluna, mas este guia pretende apenas distinguir a dor inflamatória da dor mecânica na coluna vertebral. Embora possam parecer semelhantes, a dor mecânica e a dor inflamatória na coluna têm causas diferentes, e a sua abordagem tem também de ser feita de forma distinta. É importante compreender o mais rapidamente possível que tipo de dor na coluna o afeta, para que possa ser tratada da forma mais adequada. Não aceite viver com a dor apenas porque acha que esta vai eventualmente desaparecer. Muitas pessoas adiam um diagnóstico correto. Quanto mais tempo se prolongar a dor inflamatória na coluna não tratada, maior a probabilidade de lesões a longo prazo e maior o impacto negativo que a dor pode ter no seu dia-a-dia.

 

QUANTAS PESSOAS SOFREM DE DOR NA COLUNA?

As evidências sugerem que até 80% das pessoas vão sofrer de dor lombar em algum momento da sua vida. Estima-se ainda que cerca de 23% dos adultos sofram atualmente de dor lombar com duração de pelo menos 3 meses, e que, portanto, pode ser considerada crónica. Não é de estranhar, já que são muitos os fatores do dia-a-dia que podem ter efeito ao nível da coluna. Por exemplo, fatores como o aumento de peso e até o calçado podem afetar a coluna. Existem muitas causas para a dor na coluna, e todas as pessoas com dor crónica na coluna devem consultar o médico.

TIPOS DE DOR NA COLUNA – DOR  LOMBAR

A dor na coluna é muito frequente, porém, em muitos casos, desconhece-se a causa exata. A dor na coluna pode divide-se em dois tipos principais:

  • Mecânica
  • Inflamatória – Este tipo de dor pode dever-se a diversas causas: – Doenças infeciosas, Doenças renais ou gastrointestinais,  Polimialgia reumática, Tumores ( raramente ) Iremos centrar-nos, essencialmente, na dor mecânica e na dor inflamatória na coluna.

A maior parte das vezes, a dor lombar crónica é mecânica. Porém, a dor inflamatória na coluna afeta cerca de 3% das pessoas. Ambos os tipos de dor podem limitar as suas atividades do dia-a-dia, além de diminuírem a sua qualidade de vida devido ao impacto no sono, na capacidade para trabalhar e na sua vida pessoal. No entanto, dado que ambos os tipos de dor (mecânica e inflamatória) podem ter sintomas semelhantes, é difícil distingui-las sozinho. É por isso que é importante consultar um médico e saber descrever-lhe a sua dor. Esta informação irá ajudar o seu médico a fazer um diagnóstico e a tratar adequadamente a sua doença. Dor mecânica ou dor inflamatória na coluna? Dor mecânica na coluna O tipo de dor na coluna mais comum é a dor mecânica na coluna. As pessoas com dor mecânica na coluna descrevem-na muitas vezes como tipo moinha ou latejante. Referem igualmente que a dor piora com o movimento e melhora com o descanso. A dor mecânica na coluna pode ter impacto em muitos aspetos do dia-a-dia, e muitas vezes resulta de distensões ou de traumatismo sendo, no entanto, fundamental obter um diagnóstico correto o mais cedo possível.

CARACTERÍSTICAS HABITUAIS DA DOR MECÂNICA NA COLUNA:

– Pode começar em qualquer idade.

– A rigidez matinal inferior a 30 minutos.

– A dor costuma melhorar com o descanso.

– Início variável, pode agravar rapidamente.

– A dor está normalmente associada a traumatismos ou distensões

– A dor pode ser descrita como tipo moinha ou latejante.

TIPOS COMUNS DE DOR MECÂNICA NA COLUNA CONTRACTURA LOMBAR– deve-se normalmente a traumatismos musculares. Por exemplo, as lesões podem ser provocadas por levantar incorretamente um objeto, por levantar objetos pesados ou resultar de uma lesão de desporto.

HÉRNIA DISCAL – refere-se a uma lesão ou a um problema nos discos vertebrais, as almofadas esponjosas localizadas entre cada uma das vertebras da sua coluna . Por vezes, o disco sai da posição habitual (deslizamento discal), o que provoca dor devido à irritação dos nervos próximos. Esta dor nervosa denomina-se dor neurogénica, outro tipo de dor lombar. Se a hérnia discal for na região lombar, a dor pode muitas vezes ser mais forte na perna do que na coluna.

FRATURA VERTEBRAL – uma fratura das vértebras pode ser provocada por um impacto físico forte, como uma lesão desportiva ou um acidente de viação. Além disso, os doentes podem sofrer fraturas de “stress”, pequenas fissuras visíveis ao raio-X que podem ser muito dolorosas. As fraturas vertebrais também podem ocorrer devido a uma doença denominada osteoporose. A osteoporose é uma doença que surge numa idade mais avançada, quando os ossos enfraquecem, o que aumenta a probabilidade de ocorrência de fraturas.

DOENÇA DEGENERATIVA DISCAL – quando um ou mais discos vertebrais começam a deteriorar-se. Estes discos funcionam como amortecedores da coluna durante a movimentação ou o levantamento de pesos.

OSTEOARTROSE DA COLUNA VERTEBRAL– doença degenerativa comum nos idosos e que pode provocar dor e rigidez na coluna e na região lombar, devido à destruição da cartilagem das articulações e dos discos da coluna.

MALFORMAÇÃO CONGÉNITA – as doenças são denominadas “congénitas” quando existem desde o nascimento. Estas malformações ocorrem quando a coluna não se desenvolve corretamente no útero, e são raras. Algumas malformações congénitas constituem uma causa mecânica da dor lombar. Estas malformações incluem problemas como a escoliose (encurvamento lateral da coluna) e a cifose (a parte superior da coluna está encurvada para a frente). Uma malformação congénita que conduz a dor lombar é normalmente diagnosticada durante a infância.

DOR INFLAMATÓRIA NA COLUNA – A dor inflamatória na coluna vertebral afeta cerca de 3% dos adultos. Este tipo de dor na coluna pode ser muitas vezes confundida com a dor mecânica na coluna. Existem diversas patologias que podem provocar dor inflamatória na coluna, algumas das quais difíceis de diagnosticar. Felizmente, nos últimos 10 anos, os avanços científicos facilitaram a identificação de algumas destas doenças pelos médicos, bem como o respetivo tratamento. A dor inflamatória na coluna pode afetar a sua vida de diversas formas. É importante trabalhar com o seu médico para perceber se a sua dor é de origem inflamatória, já que isto pode afetar a forma como a dor é gerida no futuro. É importante o diagnóstico precoce pois algumas causas da dor na coluna podem agravar-se com o passar do tempo. Embora possa considerar que o exercício ou os analgésicos comprados na farmácia aliviam alguns dos seus sintomas, continua a ser importante que consulte o seu médico, para obter um diagnóstico correto.

 

CARACTERÍSTICAS DA DOR INFLAMATÓRIA NA COLUNA VERTEBRAL

A dor inflamatória na coluna pode apresentar determinadas características que a distinguem de outros tipos de dor na coluna vertebral, mais concretamente da dor mecânica na coluna. Características da dor inflamatória na coluna vertebral:

– Início em idade jovem, normalmente observado em pessoas com menos de 40 anos de idade

– Agravamento gradual da dor

– Os sintomas da dor lombar melhoram com o exercício

– A dor não melhora com o repouso

– Dor durante a noite, levando muitas vezes a pessoa a acordar na segunda metade da noite

– Rigidez matinal com duração superior a 30 minutos

– Dor prolonga-se por mais de 3 meses

– Dor glútea (região das nádegas) alternante

 

O QUE PROVOCA A DOR INFLAMATÓRIA NA COLUNA VERTEBRAL?

A dor inflamatória na coluna pode ser provocada por algumas doenças autoimunes, algumas das quais intimamente ligadas à dor na coluna vertebral tais como: – Espondilite Anquilosante (EA), Espondilartrite Axial Sem Evidência Radiográfica de EA,  Artrite Psoriática , Artrite Reativa. É importante que a dor inflamatória na coluna vertebral seja reconhecida e diagnosticada, de forma a ser devidamente tratada.

 

DOENÇAS AUTOIMUNES ASSOCIADAS À DOR INFLAMATÓRIA NA COLUNA

Uma doença autoimune ocorre quando o organismo se ataca a si próprio e aos próprios tecidos saudáveis. Existem diversas doenças autoimunes, algumas delas intimamente ligadas à dor inflamatória na coluna. A Espondiloartrite Axial é um termo geral que inclui duas doenças que podem manifestar-se por dor inflamatória na coluna: a Espondilite Anquilosante e a Espondilartrite Axial Sem Evidência Radiográfica de EA.

Espondilite Anquilosante – é uma forma de artrite inflamatória em que as articulações da coluna estão envolvidas, conduzindo frequentemente a rigidez e dor lombar. As lesões provocadas por esta doença na coluna e nas articulações que fazem a ligação entre a coluna vertebral e a bacia podem ser observadas através de radiografias. Espondilartrite Axial Sem Evidência Radiográfica de EA – por vezes, os doentes podem sentir dor e limitação nos movimentos, apesar de os médicos não conseguirem detetar qualquer inflamação na radiografia. Nestes casos é necessário recorrer a formas mais avançadas de observação das articulações, como a Ressonância Magnética Nuclear (RMN).

A Espondilite Anquilosante e a Espondilartrite Axial Sem Evidência Radiográfica de EA têm muitos sintomas em comum. Outras artropatias inflamatórias – algumas doenças articulares que provocam dor inflamatória na coluna vertebral podem ter origem em diversas zonas do corpo tais como: o Artrite Psoriática – pele, o Artrite Reativa – os olhos ou o aparelho urinário , o Artrite Enteropática – o intestino o Artrite Reumatóide – as articulações

Embora os sintomas destas doenças incluam mais frequentemente dor e tumefação (edema) das articulações ou tecidos envolvidos, em muitas pessoas, podem também provocar dor inflamatória na coluna vertebral. Não existe um teste simples para a maioria destas doenças. Para ajudar ao seu diagnóstico, o médico pode realizar exames físicos, pedir uma RMN e/ou análises ao sangue, para detetar marcadores genéticos.

COMO DIAGNOSTICAR OS PROBLEMAS DA COLUNA?

Uma vez que diferentes tipos de dor na coluna requerem formas diferentes de tratamento, o seu médico irá querer saber quando começou a sua dor, qual a intensidade e de que forma afeta o seu dia-a-dia.

QUANDO COMEÇOU A SUA DOR? O seu médico irá precisar de saber como e quando começou a sua dor, portanto, antes da primeira consulta, pense nas seguintes questões:

– Lembra-se ao certo quando se apercebeu pela primeira vez da sua dor, ou foi surgindo gradualmente, intensificando-se com o passar do tempo? – Lembra-se de algum problema ou acontecimento em concreto que relacione com o início à dor? Se sim, quando ocorreu? A dor surge após algumas atividades? Como por exemplo, a prática de exercício físico? – A sua dor tem vindo a melhorar ao longo do tempo, ou a agravar-se?

DESCREVA O MELHOR POSSÍVEL A SUA DOR

Dor é difícil de descrever, pois surge de diversas formas. Desde uma sensação de ardor a uma pontada ou sensação de distensão, não é fácil definir a dor na coluna. Porém, é importante que a descreva da melhor forma possível, pelo que não finja que a sua dor é melhor ou pior do que é na realidade. Tente ao máximo ser claro e preciso na sua descrição. Antes de ir ao médico, pense na resposta que poderá dar às seguintes perguntas: – Consegue identificar uma zona específica da sua coluna onde sente dor? – A sua dor desloca-se, atinge outras partes do corpo ou é generalizada? – A intensidade de dor diminui ou aumenta com determinadas atividades? – O padrão da dor é sempre igual ou sente dor em diferentes partes do corpo? – Como descreve a sensação de dor? Podem ser usadas palavras como “lancinante”, “constante”, tipo moinha, “forte”, “pungente”, “pontada” ou latejante para descrever a dor.Qual destes adjetivos melhor define o tipo de dor que sente?

DE QUE FORMA A DOR DA COLUNA AFECTA A SUA VIDA? Viver com dores na coluna pode também provocar problemas no dia-a-dia. É importante que o seu médico compreenda de que forma a dor está a afetá-lo, a afetar a sua capacidade de trabalhar ou o desempenho das suas tarefas quotidianas, e também de que forma afeta a sua vida familiar. O médico poderá colocar as seguintes questões: – A sua dor impede-o de realizar algumas atividades do dia-a-dia? – Que efeito tem o exercício físico ligeiro ou a ida ao ginásio na dor? – A dor dificulta-lhe o sono ou acorda-o durante a noite? – Sentar-se ou deitar-se alivia-lhe a dor? – A dor afetou-lhe o apetite? – Que fatores aliviam ou agravam a sua dor?

O EXAME FÍSICO NA DOR NA COLUNA

O seu médico irá querer examinar a sua coluna e a zona envolvente, para perceber a causa principal da dor. Poderá ainda solicitar outros exames, como exames imagiológicos e/ou análises ao sangue.

OS SEUS ANTECEDENTES CLÍNICOS

Os problemas de saúde anteriores podem ser importantes, por isso, é normal que o seu médico lhe pergunte pelos seus antecedentes clínicos. Tente responder da melhor forma possível, pois isso irá ajudar o médico a chegar a um diagnóstico. Durante a consulta, o médico poderá perguntar-lhe: – Se sofreu recentemente alguma perda inexplicável de peso -Se teve alguma infeção recentemente – Se tem antecedentes familiares de alguma doença – Se está a tomar alguma medicação

 

O QUE É A DOR CRÓNICA NA COLUNA?

A dor na coluna vertebral aguda ou de curta duração, dura alguns dias a algumas semanas. A maior parte dos casos de dor na coluna é de natureza mecânica. Quando a dor se prolonga por mais de 3 meses, denomina-se dor crónica na coluna. Independentemente da origem da sua dor na coluna, do tipo de dor que apresente ou da sua duração, se considerar que a dor está a incomodá-lo, deve consultar o seu médico. Caso sofra de dor na coluna há mais de 3 meses, deverá ser investigada a sua causa e tratada o mais rapidamente possível e de forma adequada. Consultar o seu médico e ter um diagnóstico correto irá garantir-lhe um tratamento adequado para a dor na coluna e poderá ajudá-lo a ter uma vida com menos dor.

IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL DA DOR NA COLUNA

A dor na coluna pode ter um grande impacto na sua vida, tanto a nível físico como emocional. Embora a maior parte dos casos de dor na coluna seja de tipo agudo e desapareça ao fim de alguns dias ou semanas, a dor crónica na coluna descreve a dor que se prolonga por mais de 3 meses. A dor física pode tornar alguns aspetos da vida quotidiana, como caminhar, manter-se de pé e sentar-se, dolorosos e debilitantes. Além do impacto físico da dor crónica na coluna vertebral, poderá também afetar outros aspetos da sua vida, como os hábitos de sono e a o seu estado emocional.

O seu bem-estar emocional e a sua capacidade para trabalhar e estudar podem ser afetados pela sua dor na coluna e, por vezes, conduzir a maior ansiedade e depressão, sobretudo se a dor não desaparecer.

COMO GERIR A DOR NA COLUNA?

Algumas das abordagens seguintes são mais adequadas à dor inflamatória pelo que depois de feito o diagnóstico, o seu médico pode recomendar-lhe diversas opções terapêuticas, com base na sua patologia específica e no seu estilo de vida.

EXERCÍCIO FÍSICO MAS SOB ORIENTAÇÃO ADEQUADA

Dependendo da causa da sua dor na coluna, manter a atividade física pode melhorar a sua postura, a mobilidade da sua coluna e a dor e rigidez no geral principalmente na dor inflamatória. O seu médico ou fisioterapeuta podem recomendar-lhe um programa de exercícios físicos que ajude a recuperar a força muscular na sua coluna. Fale sempre com o seu médico antes de iniciar qualquer atividade física.

TERAPIA MANUAL NA DOR DE COLUNA

A Fisioterapia , quiropatia ou osteopatia são terapias que podem ser associadas às restantes terapêuticas.

– A fisioterapia pode ajudá-lo a aprender a recuperar movimentos que ficaram restritos devido à dor na coluna, e pode incluir abordagens distintas, como programas de exercícios específicos, terapia manual (como massagens) ou hidroterapia, um tipo de exercício realizado numa piscina de água morna e que se centra na melhoria da amplitude de movimentos ou força. Os fisioterapeutas podem também avaliar a sua condição física e ajudá-lo a planear um bom programa de exercício físico.

– A acupuntura envolve a introdução de agulhas muito finas em pontos específicos do corpo. A acupuntura tem-se revelado efetiva no tratamento da dor lombar, redirecionando os impulsos dolorosos para longe do cérebro e fazendo assim com que sinta menos dor, ao mesmo tempo que estimula a libertação de endorfinas, hormonas analgésicas endógenas produzidas pelo organismo.

– A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é uma técnica que envolve direcionar pensamentos e comportamentos negativos para outros mais positivos. Esta técnica pode ser usada em combinação com outras terapêuticas, para ajudar a gerir os efeitos psicológicos da sua dor crónica na coluna.

– A cirurgia é normalmente ponderada em casos concretos de problemas da coluna, quando a dor é desencadeada por uma malformação congénita ou quando foram já tentadas outras terapêuticas, com manutenção ou agravamento da dor. Nestes casos, poderá ser encaminhado para um especialista, que irá discutir consigo em pormenor as vantagens e os riscos de uma intervenção cirúrgica.

O método ARM revoluciona completamente a forma de tratar a dor na coluna, conseguindo recuperar inúmeros casos que já tinham sido submetidos a diversas cirurgias e inúmeros tratamentos. Como pode ser comprovado nos nossos testemunhos.

Estando os criadores do método ARM tão confiantes da qualidade e excelência do mesmo, que oferecem a todos os clientes “Garantia de Qualidade”.
Nenhum cliente terá que pagar o tratamento senão ficar completamente satisfeito no final da primeira consulta. Terá apenas que pagar 25% do preço total do tratamento se pretender prosseguir.

O método de ARM ( Advanced Rehabilitation Method) é o resultado da colaboração do Dr.Roy la Touche, do Dr.Eduardo Fernandes e do Dr. Jorge Villafañe. Formados nas melhores Universidades do Mundo, nomeadamente Universidad Europea de Madrid e University of San Francisco (E.U.A). Investigadores e Expertos na área de reabilitação.

E criaram uma abordagem mais abrangente e pormenorizada que respondesse a necessidade de tratamento de hérnia de disco mais eficiente e menos invasivo. Que conseguisse eliminar o problema sem dor e sem períodos de hospitalização. Fruto da uniu das técnicas com maior evidência, foi criado o método de ARM. Aplicado em mais de 1500 pessoas pelo Dr. Eduardo Fernandes possui até hoje níveis de satisfação próximos dos 100%.

Caso pretenda saber a clínica mais perto de si onde trabalhamos, obter mais informações ou marcar a consulta de avaliação ligue : 273333264 ou 913924822

MEDICAÇÃO UTILIZADA NA DOR DE COLUNA?

Poderá ter já experimentado um analgésico comprado na farmácia local e, caso este não diminua os sintomas, o seu médico poderá receitar-lhe outros medicamentos ou recomendar uma dose diferente. Os medicamentos abaixo enumerados podem causar efeitos adversos a vários níveis, pelo que é importante discutir com o seu médico que medicamentos se adequam melhor ao seu caso concreto.

ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES (AINE)- Os anti-inflamatórios podem ajudar a aliviar a dor na coluna, a dor à palpação, a inflamação e a rigidez. Porém, os AINE podem apresentar efeitos secundários, sobretudo se administrados durante muito tempo. O seu médico irá abordar esses efeitos consigo e, em conjunto, poderão avaliar se os AINE são a solução adequada para si.

OUTROS ANALGÉSICOS – Caso a sua dor na coluna não responda a outra medicação, o médico poderá receitar-lhe outro tipo de analgésico, denominado opiáceo. Os opiáceos atuam reduzindo os sinais de dor enviados ao longo da medula espinal e outras zonas do corpo para o cérebro. Estes medicamentos podem ser usados para tipos mais graves de dor, e o seu médico pode discutir consigo outras opções e os possíveis efeitos secundários, incluindo a possibilidade de dependência, antes de receitar estes medicamentos.

CORTICOSTERÓIDES INTRA-ARTICULARES – Os corticosteróides têm um papel importante no tratamento de doenças autoimunes. Estes fármacos são muito eficazes no tratamento de processos inflamatórios e imunológicos, com uma ação rápida e eficaz ao nível dos sintomas. Os corticosteróides podem ter efeitos secundários, sobretudo quando usados com regularidade, e o seu médico irá discutir esta opção consigo e avaliar a frequência com que os usa.

TERAPÊUTICAS BIOTECNOLÓGICAS  – Também denominados medicamentos biológicos, são fármacos modificadores da doença que atuam no seu sistema imunitário (o sistema de defesa natural do organismo) agindo sobre a inflamação subjacente provocada por determinadas doenças. Os medicamentos biológicos podem ser eficazes na redução da dor e da rigidez, e são administrados sob a forma de injeção subcutânea ou intravenosa, sob supervisão de um profissional de saúde. Estes medicamentos têm indicações específicas, não sendo adequados para todas as pessoas e podem ter efeitos secundários graves. O seu médico saberá decidir se estes medicamentos poderão ser adequados para si.

ANTIBIÓTICOS – Caso tenha uma infeção na coluna ou numa zona envolvente, o tratamento com antibióticos poderá ser uma forma eficaz de tratamento e de alívio da dor.

QUAIS AS MUDANÇAS DE ESTILO DE VIDA QUE DIMINUEM A DOR?

Descubra as mudanças de estilo de vida que podem ajudar a melhorar a sua dor inflamatória na coluna. Caso tenha dor inflamatória na coluna, fazer algumas alterações no estilo de vida pode aliviar uma parte do desconforto sentido diariamente. Estas pequenas alterações podem ajudar a aliviar uma parte da frustração que pode afetá-lo. Apesar de algumas das sugestões poderem aplicar-se à dor mecânica na coluna de curta ou longa duração, esta secção foi sobretudo concebida para ajudar pessoas com dor inflamatória na coluna.

DICAS PARA MINIMIZAR A DOR NA COLUNA NO DIA-A-DIA

Dormir, conduzir e fazer compras são apenas algumas das atividades quotidianas que costumamos tomar como certas. Caso sofra de dor inflamatória na coluna, eis algumas dicas de como poderá minimizar o impacto sobre as suas atividades do dia-a-dia:

– Se fizer viagens longas de carro, planeie paragens regulares, para caminhar e esticar as pernas – Experimente fazer as compras de supermercado pela Internet, para evitar ter de carregar sacos pesados – Fale com o seu fisioterapeuta ou médico para sugestões simples de alongamentos e diferentes apoios lombares

DICAS PARA DIMINUIR A DOR NA COLUNA NO TRABALHO

O local de trabalho é um sítio onde habitualmente a dor lombar o afeta mais. Tenha em conta as seguintes sugestões para diminuir os problemas no local de trabalho:  – Informe as pessoas – colegas de trabalho, o diretor de Recursos Humanos, o sindicato e/ou a entidade patronal. A entidade patronal pode disponibilizar algumas opções de serviços ou assistência de saúde – Se possível, ajuste o horário laboral ou trabalhe a partir de casa – Solicite uma avaliação ao posto de trabalho, caso detete problemas específicos relacionados com o seu posto de trabalho  – Verifique o equipamento e certifique-se de que é seguro e adequado para o seu problema de saúde – Informe-se sobre quaisquer apoios a que tenha direito

Passar grande parte do dia sentado a uma secretária pode causar rigidez dor na coluna. Levantar-se regularmente, caminhar e alongar os músculos pode ajudar, já que pode aliviar uma parte da dor e do desconforto sentidos durante o dia. Sempre que possível, levante-se – por exemplo quando atender um telefonema.

PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO PODE AJUDAR NA DOR DE COLUNA?

Embora não seja uma cura, a prática regular de exercício físico poderá ajudar a aliviar alguma da dor associada a determinadas patologias inflamatórias. Alguns tipos de exercício físico podem ser-lhe mais benéficos do que outros. Assim, deverá discutir com o seu médico qual o tipo de exercício físico mais adequado para o seu problema.

DICAS PARA TORNAR UMA VIAGEM MENOS DOLOROSA – As viagens podem implicar algum planeamento, e caso sofra de dor inflamatória na coluna vertebral, poderá ter de fazer algumas adaptações. Eis alguns aspetos a considerar para tornar a sua viagem mais agradável: – Se viajar de avião ou fizer viagens longas de autocarro ou comboio, peça ao seu médico assistente ou fisioterapeuta que lhe indique alguns exercícios que possa realizar sentado – Se possível, durante a viagem, levante-se regularmente para alongar e caminhar um pouco – Leve sempre consigo receitas para qualquer medicação que esteja a fazer – Pode também solicitar ao seu médico assistente uma carta onde explique formalmente que medicação está a tomar e para que serve

Concluindo: Se tem dor de costas ( dor na coluna) contacte um profissional de saúde de preferência especializado no tratamento de problemas de coluna, recomendamos os profissionais criadores do método ARM se for possível para si. Podendo as dores de costas ter causas muito variadas que muitas vezes não têm a ver com a coluna vertebral, mas que devem ser bem diagnosticadas para que se possa implementar o tratamento mais eficaz. A dor seja ela qual for deve sempre ser tratada atempadamente de forma a diminuir a sua intensidade e possibilidade de se tornar crónica. Se já tem dor crónica não desespere! Existem hoje muitas armas terapêuticas para ajudar a tornar o seu dia-a-dia menos doloroso!

A abordagem clássica com Paracetamol e AINEs utlizados em conjunto se necessário e acrescentando mais tarde, se tal se justificar, analgésicos opióides, começando pelas dosagens mais baixas. Nos casos mais graves existem equipas de médicos de várias especialidades ( equipas da dor ), que cruzam os seus conhecimentos de maneira a aplicar terapêuticas menos convencionais nos doentes com dores mais intensas e persistentes, nomeadamente os que têm DOR NEUROPÁTICA que, em linguagem simples, se pode descrever como uma lesão de um nervo que envia constantemente ao cerebro uma mensagem de dor. E claro há hábitos diários que pode sempre alterar para melhor tais como comer de forma mais saudável, caminhar ao ar livre ( de preferência junto ao mar, rio ou floresta ) conversar… enfim tarefas que ajudam a abstrair-se da dor e pensar em coisas mais positivas! Parecem coisas banais mas têm comprovadamente efeitos terapêuticos!

 

dor na coluna

evitar a dor na coluna

 

Partilha nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •