Relaxantes Musculares na Hérnia

Relaxantes Musculares na Hérnia

Qual é a eficácia dos relaxantes musculares na hérnia de disco lombar?

O diazepam na dose de 5 mg duas vezes ao dia associado à fisioterapia e analgésicos mostrou equivalência menor que 20%  na centralização da dor referida quando comparado ao mesmo tratamento com placebo, após 7 dias de tratamento. Pacientes em tratamento conservador sem o benzodiazepínico tiveram o período de hospitalização reduzido em 2 dias.

A tizanidina na dose de 2 mg 2 vezes ao dia nos primeiros 3 meses associado a tramadol 100 mg ao dia nos primeiros 2 meses e Ibuprofeno 1200 mg ao dia no primeiro mês apresenta resultados menos satisfatórios na melhora da dor mensurado por escala visual analógica (VAS) até o primeiro mês de seguimento quando comparado a injeção epidural de 80 mg de metilpredinisolona (p < 0,05). Porém entre 3 e 6 meses de seguimento, não há diferença significativa na melhora da dor entre os dois grupos (p > 0,05).

Recomendação dos relaxantes musculares na hérnia de disco

A injeção epidural de metilpredinisolona na dose de 80 mg é mais eficaz que tizanidina 2 mg 2 vezes ao dia associado a tratamento conservador na redução da dor no primeiro mês. Não existem evidências que comprovem a superioridade do relaxante muscular quando comparado ao tratamento conservador na eficácia analgésica da hérnia de disco lombar aguda.

Qual é a eficácia da gabapentina (relaxante muscular da hérnia) para o tratamento da hérnia de disco lombar?

Gabapentina, via oral, na dose escalonada de 400 mg no primeiro dia, 400 mg duas vezes ao dia no segundo dia, 400 mg de 8/8 horas no terceiro dia e com aumento de 400 mg/dia por 10 dias, até a dose máxima de 2.400 mg/dia reduz a dor (escala visual analógica: 6,5 a 1,7, p < 0,001) e aumenta a distância da caminhada (de 0-100 m até 1000 m, p < 0,001) três meses após o início do tratamento. Há relato de melhora dos sintomas e da capacidade ocupacional em 84,7% dos pacientes tratados.

Efeitos adversos como sonolência e tontura são observados em 9% dos casos. Doses menores que 300 mg/dia até 1.800 mg/dia, durante oito semanas, também aliviam a dor e melhoram a qualidade de vida em doentes com radiculopatia lombar crônica. Já o topiramato, via oral, na dose de 50-400 mg/dia não melhora a dor lombar, ciática ou a incapacidade.

Recomendação Gabapentina – relaxantes musculares na hérnia
Gabapentina na dose máxima de 2.400 mg/dia reduz a dor e a
incapacidade 3 meses após o inicio do tratamento. Topiramato não
mostra melhora dos mesmos parâmetros na dose de 50-400 mg/dia.

Partilha nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •