Lombalgia

O QUE É LOMBALGIA

O problema da Lombalgia é postural. Tem como causa a má posição para deitar-se ou sentar-se, de baixar-se, ou até carregar algum objeto pesado. Mas também pode ser causada por inflamação, infecção, hérnia de disco, escorregamento de vértebra, artrose e por incrível que pareça, até problemas emocionais.

SINAIS E SINTOMAS DA LOMBALGIA

A lombalgia é uma patologia que atinge um número significativo de pessoas pelo menos uma vez na vida e se não for devidamente tratada pode limitar o paciente pessoalmente e profissionalmente. Os sintomas da lombalgia são:

  • Dor no fundo das costas,
  • Contratura e tensão muscular aumentada na região afetada,
  • Incapacidade de ficar sentado ou em pé por muito tempo, sendo necessário buscar novas posições para ficar sentado, dormir ou caminhar.

A dor pode ser angustiante por um tempo e tende a diminuir com o relaxamento e descanso, podendo voltar ao realizar o menor esforço como abaixar-se para pegar algo no chão.

TIPOS DE LOMBALGIA

Pode-se dividir a Lombalgia em dois tipos:

  • Aguda – conhecida como “mau jeito”. A dor é forte e aparece subitamente de pois de um esforço físico. Ocorre na população mais jovem.
  • Crônica –geralmente ocorre entre a população mais velha. A dor não é tão intensa, mas é quase permanente.

DIAGNÓSTICO DA LOMBALGIA

Nem sempre é necessária uma ressonância magnética. Normalmente o diagnóstico e a causa são estabelecidos através das queixas do paciente e um exame físico bem feito. Em caso de dúvida, uma radiografia simples vai poder ajudar. A densitometria é um exame usado na osteoporose, mas a osteoporose não causa dor. O que dói é a fratura espontânea de uma vértebra enfraquecida pela osteoporose. Por isso, na maioria das vezes a densitometria não é pedida nos casos de lombalgia.

PREVENÇÃO DA LOMBALGIA

Para que a lombalgia aguda não se torne crônica é necessário:

  • A correção postural, principalmente na maneira de se sentar no trabalho e na escola é essencial.
  • Na fase aguda, a ginástica não é indicada, porém, após o final da crise, a prática regular de exercícios físicos apropriados é importante.
  • Quando fizer exercício com pesos na ginástica, proteja a coluna deitando ou sentando com apoio nas costas.
  • Sempre evitar carregar peso.
  • Não permanecer curvado por muito tempo.
  • Quando se abaixar, dobrar os joelhos e não dobrar a coluna.
  • Evitar usar colchão mole demais ou excessivamente duro, principalmente se o indivíduo é muito magro.

TRATAMENTO PARA LOMBALGIA

Na crise aguda de lombalgia, o exercício está totalmente contraindicado. Deve-se fazer repouso absoluto, deitado na cama. Uma alternativa é deitar de lado em posição fetal (com as pernas encolhidas). Não estão indicados na fase aguda: tração, manipulação, RPG, cinesioterapia, alongamento e massagem.

Os analgésicos e os anti-inflamatórios podem ser usados. Sedativos são úteis para ajudar a manter o paciente em repouso no leito. Existem outras substâncias muito usadas, porém sem nenhuma eficácia científica comprovada, tais como: vitamina B12, cortisona, cálcio, gelatina de peixe, casca de ovo, casca de ostra e geleia de tubarão. Nenhuma delas tem efeito comprovado. Nota-se que, quanto mais bem feito o repouso, menos medicamentos são necessários. Obviamente, deve-se tratar a causa da lombalgia.

Nem todos os casos de hérnia de disco têm de ser operados. Quase todos regridem com repouso no leito, sem necessidade de cirurgia. Assim, a hérnia murcha e deixa de comprimir estruturas importantes, como os nervos. O tratamento cirúrgico está indicado apenas nos 10% dos casos em que a crise não passa entre três a seis semanas, em pacientes que têm crises repetidas em um curto espaço de tempo ou quando existem alterações esfincter.

 

lombalgia e o seu tratamento

tratamento lombalgia

 

 

 

 

Para mais informações sobre o método ARM no tratamento hérnias discais visite: http://www.herniadedisco.pt

Partilha nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •