Tratamento para coluna

Tratamento para coluna

Em 1994 a AHCPR -Agência para Programas e Pesquisa em Atendimento de Saúde dos
Estados Unidos da América do Norte publicou um conjunto de orientações para conduta no atendimento
primário dos casos de dor lombar aguda. A partir daí, vários outros países publicaram orientações semelhantes no tratamento para coluna:

1. aconselhar aos pacientes a que mantenham a atividade física
2. prescrever medicações se necessário: paracetamol, antiinflamatórios não esteroidais
3. desencorajar o repouso no leito
4. considerar manipulação da coluna
5. não recomendar exercícios específicos para a coluna
Sabe-se hoje que o repouso e exercícios para as costas, que foram até há algum tempo a
base para o tratamento, são ineficazes.

O tratamento para a maioria dos pacientes de hérnia de disco é não cirúrgico já que 80%
responderão ao tratamento conservador se acompanhados por um período de cinco anos
.
Mobilização, manipulação e massagem como tratamento para coluna:

Apesar do desenvolvimento de drogas mais potentes e cirurgias mais complexas, as terapias
manuais e os exercícios continuam a ser os métodos de tratamento das dores músculoesqueléticas
mais utilizados. Uma revisão sistemática da Cochrane Collaboration encontrou evidências
de benefícios na lombalgia crônica que se mantêm por semanas ou meses. Embora não
haja evidências na literatura dos benefícios em longo prazo dessas terapias para lombalgia aguda,
os pacientes costumam relatar melhoras.

. Talvez o apoio de um terapeuta e mais o alívio, ainda que temporário que se segue à manipulação, sirvam para que o paciente tolere melhor a sua dor.

Analgésicos sistêmicos no tratamento para coluna

Os antiinflamatórios não esteroidais são o padrão analgésico no tratamento das dores de
coluna vertebral. Uma revisão sistemática da Cochrane Collaboration encontrou evidências de que
os antiinflamatórios (versus placebo) aumentam significativamente a proporção de pessoas com
melhora em uma semana e reduzem a proporção de pessoas que necessitam de analgésicos adicionais.
Não foram encontradas evidências de que algum antiinflamatório em particular garanta melhores
resultados que os outros10.
Quando a dor é muito intensa, às vezes é necessário o tratamento com opióides por 1-2
semanas.

Também não há evidências de benefícios no uso de relaxantes musculares como o diazepam,
ciclobenzaprina (Miosan®), carisoprodol (Beserol®, Dorilax®, Tandrilax®) e metocarbamol
embora alguns pacientes relatem alívio com o seu uso. Essas drogas devem ser usadas com cautela.
.

Bloqueios terapêuticos no tratamento para coluna

Na literatura há poucas evidências de benefícios ou da ausência deles nas técnicas de
injeção na articulação facetária, injeção peridural ou injeções locais de anestésico e/ou corticóide
. Na experiência da autora as injeções peridurais de corticóide ajudam no alívio imediato dos sintomas agudos nos casos em que, após 4-8 semanas de tratamento, as medidas conservadoras se mostram insatisfatórias.

Vertebroplastia no tratamento para coluna

Esse procedimento tem sido usado nos casos de fratura de vértebra, principalmente por
osteoporose. O procedimento é realizado com visualização sob radioscopia. É introduzida uma
agulha através do pedículo da vértebra afetada e injetado metilmetacrilato para reforçar o local
colapsado. O alívio geralmente é imediato e, para ser mais efetivo, deve ser realizado precocemente
na evolução da doença.

Acupuntura no tratamento para coluna:

Também neste caso há poucas evidências na literatura provando ação benéfica ou provando
ausência de benefícios da acupuntura talvez devido à baixa qualidade dos estudos publicados
até agora. Entretanto os pacientes parecem se sentir bem com este tratamento.

Fisioterapia no tratamento para coluna
A fisioterapia, comumente exercícios combinados com outros tratamentos como massagem,
tração, ultra-som, ondas curtas, laser, estimulação elétrica transcutânea, é largamente utilizada
no tratamento das dores de origem músculo-esquelética, mas ainda assim não encontramos
na literatura evidências dos seus efeitos benéficos. Tanto o calor como o frio reduzem o espasmo
muscular secundário à patologia osteoarticular e à compressão nervosa. Assim, com a ajuda
do calor ou do frio, se interrompe o círculo vicioso constituído por espasmo muscular, isquemia,
dor.

Prognóstico no tratamento para coluna

A recorrência dos sintomas de dor lombar aguda é freqüente.
A gravidade da dor, a extensão da incapacidade que acompanha o episódio, um episódio
incapacitante prévio e a trajetória da dor no geral e o intervalo de tempo até que o paciente procure
atendimento primário são todos fatores que aumentam a probabilidade do problema se tornar
persistente18. O intervalo de tempo até a primeira consulta pode apenas ser a tradução da história
natural da doença: episódios intensos destinados à resolução rápida apresentam-se antes à consulta
do que aqueles que se desenvolvem mais lentamente, menos dramáticos, mas com destino a dura-
ção mais longa.
Dissatisfação com o trabalho é um fator preditor de mau prognóstico.
A maioria dos pacientes se recupera dentro de três meses embora sintomas leves persistam.

Partilha nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •